O termo código aberto, ou open source em inglês, foi criado pela OSI (Open Source Initiative) e refere-se a software também conhecido por software livre. Genericamente trata-se de software que respeita as quatro liberdades definidas pela Free Software Foundation, compartilhadas também pelo projeto Debian, nomeadamente em “Debian Free Software Guidelines (DFSG)”. Qualquer licença de software livre é também uma licença de código aberto (Open Source), a diferença entre as duas nomenclaturas reside essencialmente na sua apresentação. Enquanto a FSF usa o termo “Software Livre” envolta de um discurso baseado em questões éticas, direitos e liberdade, a OSI usa o termo “Código Aberto” sob um ponto de vista puramente técnico, evitando (propositadamente) questões éticas. Esta nomenclatura e discurso foram cunhados por Eric Raymond e outros fundadores da OSI com o objetivo de apresentar o software livre a empresas de uma forma mais comercial evitando o discurso ético.

Open Source Inicio

Open Source Inicio e história do movimento Open Source confunde-se com as origens do UNIX, da Internet e da cultura “hacker”.
O rótulo “Open Source” surgiu em uma reunião em fevereiro de 1998. Tal debate juntou personalidades que se tornaram verdadeiras referências no que diz respeito ao Open Source, como Todd Anderson, Chris Peterson (Foresight Institute), Jon “Maddog” Hall e Larry Augustin (Linux International), Sam Ockman Silicon Valley Linux User’s Group) e Eric Raymond. Como a diferença entre os movimentos “Software Livre” e “Código Aberto” está apenas na argumentação em prol dos mesmos softwares, é comum que esses grupos se unam em diversas situações ou que sejam citados de uma forma agregadora através da sigla “FLOSS” (Free/Libre and Open Source Software). Os defensores do movimento Open Source sustentam que não se trata de algo anticapitalista ou anarquista, mas de uma alternativa ao modelo de negócio para a indústria de software. O modelo colaborativo de produção intelectual oferece um novo paradigma para o direito de autor. Algumas grandes empresas como IBM, HP, Intel e Dell também têm investido no software de código aberto, juntando esforços para a criação do Open Source Development Lab (OSDL), instituição destinada à criação de tecnologias de código aberto.

Definição de Open Source

A definição do Open Source foi criada pela Open Source Iniciative (OSI) a partir do texto original da Debian Free Software Guidelines (DFSG) e determina que um programa de código aberto deve garantir:

Distribuição livre – A licença não deve restringir de nenhuma maneira a venda ou distribuição do programa gratuitamente, como componente de outro programa ou não.

Código fonte – O programa deve incluir seu código fonte e deve permitir a sua distribuição também na forma compilada. Se o programa não for distribuído com seu código fonte, deve haver algum meio de se obter o mesmo seja via rede ou com custo apenas de reprodução. O código deve ser legível e inteligível por qualquer programador.

Trabalhos Derivados – A licença deve permitir modificações e trabalhos derivados, e deve permitir que eles sejam distribuídos sobre os mesmos termos da licença original.

Integridade do autor do código fonte – A licença pode restringir o código fonte de ser distribuído em uma forma modificada apenas se a licença permitir a distribuição de arquivos patch (de atualização) com o código fonte para o propósito de modificar o programa no momento de sua construção. A licença deve explicitamente permitir a distribuição do programa construído a partir do código fonte modificado. Contudo, a licença pode ainda requerer que programas derivados tenham um nome ou número de versão diferentes do programa original.

Não discriminação contra pessoas ou grupos – A licença não pode ser discriminatória contra qualquer pessoa ou grupo de pessoas.

Não discriminação contra áreas de atuação – A licença não deve restringir qualquer pessoa de usar o programa em um ramo específico de atuação. Por exemplo, ela não deve proibir que o programa seja usado em um empresa, ou de ser usado para pesquisa genética.

Distribuição da Licença – Os direitos associados ao programa devem ser aplicáveis para todos aqueles cujo o programa é redistribuído, sem a necessidade da execução de uma licença adicional para estas partes.

Licença não específica a um produto – Os direitos associados ao programa não devem depender que o programa seja parte de uma distribuição específica de programas. Se o programa é extraído desta distribuição e usado ou distribuído dentro dos termos da licença do programa, todas as partes para quem o programa é redistribuído devem ter os mesmos direitos que aqueles que são garantidos em conjunção com a distribuição de programas original.

Licença não restrinja outros programas – A licença não pode colocar restrições em outros programas que são distribuídos juntos com o programa licenciado. Isto é, a licença não pode especificar que todos os programas distribuídos na mesma mídia de armazenamento sejam programas de código aberto.

Licença neutra em relação a tecnologia – Nenhuma cláusula da licença pode estabelecer uma tecnologia individual, estilo ou interface a ser aplicada no programa.

ERP Open Source

ERP, do inglês – Enterprise Resources Planning (Planejamento de Recursos Empresariais, em uma tradução livre), ou Sistemas de Gerenciamento Empresarial, são aplicações responsáveis por controlar todas as operações que ocorrem no ambiente de uma empresa.

É através dele que os funcionários registram os resultados de todos os processos que ocorrem no dia-a-dia, dinamizando a vida da empresa e fornecendo dados precisos para que ela ganhe competitividade no mercado.

Em um ERP encontramos informações como a quantidade em estoque de determinado produto, as notas de entrada e saída emitidas, todos os cadastros de clientes, fornecedores, vendedores… enfim, todas as informações relativas ao funcionamento da organização.

Os ERPs são subdivididos em módulos, cada um responsável por uma área da empresa. Dessa forma, existem os módulos financeiro, faturamento, contabilidade, compras etc.

Assim como acontece na empresa em si, esses módulos geram informações que se integram nos processos internos do sistema, gerando informações concisas e agilizando os processos.

Prosseguindo com o artigo, esse material é um resumo das principais aplicações ERP open source do mercado. Ele é dividido em dois artigos: um com uma breve descrição e links para maiores informações sobre os principais ERPs open source do mercado e o segundo trará algumas informações e idéias sobre a condução de projetos de implantação, além de informações sobre o mercado.

ERP Open Source Compiere

ERP Open Source Compiere, primeiro ERP Open Source criado, o Compiere foi desenvolvido por Jorg Jank, ex-diretor de desenvolvimento da Oracle. O sistema foi concebido inicialmente para a Goodyear alemã em 1999, porém ele só foi implantado em maio do ano seguinte e disponibilizado na Internet como Open Source.

Atualmente, Jorg Jank é quem administra o desenvolvimento do Compiere mundialmente (Compiére Inc. – Nova Iorque). O sistema é utilizado em mais de 10 países, em grandes organizações ao redor do mundo e foi utilizado como base para vários outros sistemas.

Estrutura interna
Uma vez que ele foi desenvolvido inteiramente em Java (linguagem de programação multiplataforma que roda sobre uma máquina virtual intermediária), ele pode ser executado nos mais diferentes sistemas operacionais – Microsoft Windows, Linux, Solaris, MacOS … – dentro da mesma empresa, o que fornece certa flexibilidade aos usuários.

O sistema pode fazer integrações com a Internet e opera com vários SGBDs (Sistemas Gerenciadores de bancos de dados diferentes) e funciona seguindo a estrutura de cliente-servidor de aplicação.

Ele também oferece estrutura de dados multi-empresas, o que facilita o gerenciamento de empresas e filiais por um mesmo aplicativo. Como o sistema é utilizado em vários países, ele também oferece suporte à vários idiomas.

Adempiere Open Source

Adempiere Open Source surgiu em 2006 como um fork do projeto Compiere, com o intuito de ser desenvolvido completamente seguindo a metodologia de Bazar, uma vez que essa decisão surgiu depois de uma série de desacordos entre a comunidade e a Compiére Inc.

Assim como o Compiere, o sistema é focado no setor SMB (Small and Medium Business – Pequenas e Médias Empresas), porém conta com ferramentas avançadas para análise do negócio, com enfoque para o seu workflow.

Por ser uma derivação do Compiere, o sistema mantém algumas de suas características, facilitando assim o aprendizado para quem já utilizou o sistema-pai. Além disso, ele herda toda a experiência de desenvolvimento e implantação do Compiére, atuando como uma espécie de evolução.

Como seu desenvolvimento segue essa metodologia, existem várias derivações do pacote padrão para download na internet. Fato que facilita muito a vida do desenvolvedor que precisa se basear ou utilizar algum código ou função extra para a implementação de alguma regra de negócio. Atualmente o projeto é coordenado pela a AdempiereBazaar.

Estrutura interna
Assim como o Compiere, o Adempiere foi desenvolvido em Java e por esse motivo também roda em diversas plataformas. O sistema também manteve a característica de cliente-servidor e opera com diversos bancos de dados, gratuito ou não.

ERP Open Source Web OpenBravo

ERP Open Source web OpenBravo, tudo começou com dois estudantes da University of Navarra, Nicolas Serrano e Ismael Ciordia, que desenvolveram o sistema de gerenciamento da universidade.

A grande sacada do sistema é que ele foi desenvolvido completamente para rodar sobre tecnologia de Internet, ou seja, ele roda no browser. Qualquer sistema operacional tem um browser e pode utilizar o sistema de forma eficaz e com o mesmo visual.

Em agosto de 2001, Nicolas, Ismael e Moncho Aguinaga fundaram a Tecnicia, que hoje é conhecida como OpenBravo, com o intuito de utilizar essa ferramenta como padrão para o desenvolvimento de projetos de implantação de ERPs.

Em 2005 o sistema passou por uma reformulação e se tornou o OpenBravo como conhecemos hoje.

Em 2006, o projeto recebeu um financiamento da ordem de 6 milhões de euros da SODENA – o Governo de Navarra (onde fica a sede do projeto) e, em abril do mesmo ano, ele foi publicado no SourceForge.

Colecionando premiações – Open Source Business Awards 2008, InfoWorld Bossie Awards 2007, LinuxWorld.com Product Excellence Award 2007, Red Herring 100 Europe Award 2007, Technology Based Innovative Enterprise Award 2006 – o OpenBravo se tornou rapidamente uma das soluções mais conceituadas do mercado.

Atualmente, a OpenBravo estimula a associação de empresas que queiram trabalhar com a implantação de seu produto, através de certificações técnicas.

Estrutura interna
Desenvolvido em Java para Web, o OpenBravo conta com diversas ferramentas para auxiliar a manutenção e customização do sistema, refletindo o enfoque da empresa que o desenvolveu nesse quesito. O sistema foi todo desenvolvido usando o padrão MVC (Model-View-Control) facilitando assim a disposição dos componentes do sistema.

Sua arquitetura é dividida em dois ambientes – Desenvolvimento e Execução – o sistema também se utiliza de dicionários de dados.

ERP Open Source Nacional – FreedomERP

ERP Open Source nacional desenvolvido pela SetPoint Informática, o Freedom ERP é claramente focado em pequenos negócios. Distribuído sob a licença GPL, o sistema é de fácil manutenção e implantação.

O sistema é dividido em vários módulos (Freedom Standart – uma compilação básica das principais funções de um ERP, Freedom Financeiro, Freedom Produção, Freedom Telemarketing, Freedom PDV e Freedom Atendimento) que se integram perfeitamente. Atualmente encontra-se muita informação sobre ele nos fóruns brasileiros, principalmente os focados em Java.

Estrutura interna
Desenvolvido inteiramente em Java com interface Swing, o sistema trabalha nativamente com banco de dados Firebird. Sua instalação é simples e intuitiva, o que facilita bastante o trabalho da equipe de implantação.

CRM Open Source – VtigerCRM

O CRM Open Source Vtiger é um sistema open-source desenvolvido em PHP para gerenciar relacionamentos com clientes, uma solução robusta e gratuita derivada do SugarCRM, com quem ele compete em um mercado muito interessante, onde podemos destacar a solução de SaaS(Software as A Service) SalesForce.com(líder de CRM no mundo). CRM Vtiger é uma solução originalmente destinada a pequenas e médias empresas.

Este software de CRM permite a automação de forças de vendas, suporte e serviço ao cliente, automação de marketing, controle de estoque, suporte para dois dos mais populares bancos de dados gratuitos (MySQL e PostgreSQL), controle de acesso, customização de produtos e serviços, agenda e calendário, pode ser integrado com o seu e-mail e disponibilizá-lo para o Microsoft Outlook e extensões de Mozilla Thunderbird, além de ser totalmente extensível.
CRM Vtiger pode ser utilizado ON ou OFFLINE – Todos os softwares oferecidos pela indexPHP podem ser utilizados nos ambientes: online e offline. A instalação offline funciona como uma intranet e a online como uma conexão comum de Internet. Ambas são protegidas por senhas e níveis de acesso, com a figura do Super Administrador funcionando como o nível máximo!

Processo de Implantação do CRM Vtiger
A indexPHP fará um projeto para implantar o CRM Vtiger em sua Empresa. O primeiro passo será identificar o modelo de utilização e os resultados esperados. O segundo passo será conhecer o sistema atualmente utilizado e as diferenças para o Vtiger. O terceiro passo será dimensionar hardware e softwares de suporte. O quarto passo será analisar o organograma da empresa e coletar: número total de funcionários, departamentos e sua hierarquia. O quinto passo serão as providências listadas abaixo:

Construção do Projeto de Implantação
Aprovação do Projeto de Implantação pelo Cliente
Contratar provedor de acesso que suporte o Vtiger (para instalação online)
Orientar configurações hardware/software para Intranet (para instalação offline)
Instalar Vtiger “limpo” e configurar a base de dados
Integração com CMS Joomla – Leads e Contatos
Configurar níveis de acessos
Iniciar inserção de clientes (leads, contatos, contas, oportunidades…)
Adaptar design do sistema com o visual do Cliente
Iniciar e finalizar testes local e remoto
Treinar equipe do cliente (transferência de tecnologia)
Oferecer suporte técnico gratuito por 120 dias

Observação: Todos os passos acima poderão ser feitos fora do domicílio do Cliente (com exceção do treinamento, que será feito na empresa do Cliente – in company).

CRM Open Source – SugarCRM

CRM Open Source SugarCRM é um produto de CRM corporativo com módulos para gerenciamento de empresas e divisões, contatos, prospects, oportunidades, ocorrências, campanhas de marketing, projetos, documentos, agenda e histórico. Sendo um produto open source, é distribuído gratuitamente na versão Sugar Community Edition.

O suporte linguístico para português de Portugal tem sido disponibilizado pela empresa DRI[1], Gold Partner da SugarCRM em Portugal.

O suporte linguístico para português do Brasil tem sido disponibilizado pela empresa Lampada Global, Gold Partner e ALP ( Authorized Learning Partner) da SugarCRM no Brasil.

O SugarCRM possui 4 edições diferentes:

Sugar Community Edition
Sugar Express
Sugar Professional
Sugar Enterprise

Cada produto deriva da mesma árvore de código, com o Sugar Community Edition contendo aproximadamente 85 porcento das funcionalidades contidas no Sugar Professional e no Sugar Enterprise. Os produtos originam na base do LAMP: Linux, Apache, MySQL e PHP, mas também funcionam em outras plataformas que podem rodar o PHP (como o Windows, Solaris e Mac OS X). O SugarCRM pode também usar o Ms-IIS como servidor web, e o Ms-SQL ou Oracle como alternativa de banco de dados.

Sistema Open Source AVANTTS